Facilitando Times: A Necessidade do Pertencimento

A Necessidade de Pertencer

Os seres humanos são seres sociais, isto é, não vivem e/ou se desenvolvem sozinhos. De acordo com o psicólogo americano Abraham Maslow, as pessoas têm necessidade de pertencer a um grupo, amar aos outros e ser amados, o que conhecemos como necessidade de pertencimento. Além disso, é importante destacar que, se não atingirem a necessidade de sentir-se pertencente a um grupo, não haverá a possibilidade de desenvolver a auto-estima adequadamente.

No âmbito das comunidades em que estamos inseridos, a necessidade de pertencimento – também conhecida como teias de relacionamento e laços de compromisso moral – torna-se extremamente relevante em períodos de crise, pois contribui para o entendimento da compaixão e da solidariedade – visto a capacidade de fortalecer os vínculos entre os membros de uma comunidade. É nesse sentido que se precisa entender cada organização como uma comunidade, visto os laços de convivência que se estabelecem entre seus membros, que, em geral, buscam um objetivo comum.

Nas organizações, ressalta-se a importância da liderança facilitadora para propiciar o sentimento de pertencimento nos colaboradores destas. O colaborador que se sente pertencente e importante dentro da organização se dedica mais, abraça os desafios como se fossem seus e os transforma em oportunidades de crescimento (pessoal e organizacional). É, na realidade, algo que transcende à organização, pois supre uma necessidade psicológica, beneficiando não somente a comunidade / organização, mas principalmente o autodesenvolvimento do colaborador.

Há que se entender que existe uma relação direta entre a necessidade de pertencimento e a participação e comprometimento, isto é, à medida em que supre-se a necessidade de pertencer, aumenta-se a capacidade de participação e comprometimento das pessoas com vistas a um objetivo em comum. Desta forma, a partir do momento em que a liderança é capaz de facilitar o desenvolvimento de um time, é possível criar uma unidade capaz de se desenvolver por si própria, com o comprometimento e a participação de todos os membros. O atingimento dos objetivos e a superação dos desafios torna-se um prazer para todos os membros da organização, o que possibilita um ambiente mais harmonioso e focado em resultados.

Priscila Bresolin Tisott – Doutora em Administração,
e aluna da Primeira turma da Escalada



Deixe uma resposta