Aprendizado na Prática

Aprender Fazendo!

Conhecimentos são melhor apreendidos quando combinam teoria com prática. Por isso, não basta participar de palestras, workshops; enviar textos e vídeos para que os colaboradores desenvolvam competências técnicas e comportamentais, ou ainda aprendam sobre a cultura, processos, produtos comercializados e outras informações relevantes para a rotina de trabalho. É preciso muito mais.

É necessário estimular a sua participação e usar a prática do dia a dia para garantir que os treinamentos serão realmente eficientes.

método 70:20:10, totalmente relacionado com a andragogia (educação de adultos), é voltado para a aprendizagem e desenvolvimento das pessoas com foco na aprendizagem por meio da experiência. 

MAS O QUE SIGNIFICA 70:20:10?

O número 70 significa que 70% do aprendizado de um profissional vem dos desafios rotineiros, das difíceis decisões, da experimentação, repetição e acúmulo de experiência, assim como situações em que o profissional lida com responsabilidades crescentes. Segundo pesquisadores, esses 70% são conhecidos como on-the-job learning, ou seja, aprendizado no trabalho.

Os 30% restantes são distribuídos da seguinte forma: 20% de aprendizado com os outros (observação e envolvimento com pessoas que podem servir como modelos/exemplos) e 10% de aprendizado através da educação formal (cursos, seminários, workshops e leituras formais, etc.).

Como breve retrospectiva, os pesquisadores australianos da Universidade de Deakim apontam as origens deste modelo aos trabalhos do professor canadense Allen Tough, da Universidade de Ontário, que em 1968 publicou seus fundamentos na obra “Why adults learn”. Posteriormente, em 1971, no livro “The Adult’s Learning Project”, ele finalmente estimou que 70% da aprendizagem ocorre fora das estruturas institucionais, 20% é suportado por educadores não profissionais, como supervisores, colegas, parentes e amigos, e 10% é promovido por professores, treinadores e conselheiros.

POR QUE É PRECISO PRATICAR PARA SER EFETIVO?

É a prática que faz com que o profissional veja como os ensinamentos teóricos são aplicados no dia a dia de trabalho. É nesse momento que pode-se perceber o aumento de performance, o ganho em tempo, a diminuição do retrabalho e mensurar ganho e melhorias.

Mas qual é o real papel da prática no aprendizado? De que forma ela ajuda a “fortalecer” o cérebro e a facilitar a compreensão do conhecimento? Como os exercícios práticos influenciam as atividades cerebrais?

Segundo pesquisas, os exercícios que fazemos contribuem para que os caminhos neurais fiquem mais rápidos e eficientes. Isso acontece porque a prática fortalece as células que isolam os axônios que ficam na matéria branca do cérebro. Este isolamento é essencial para prevenir a perda de energia dos sinais elétricos utilizados pelo cérebro. Quanto mais camadas de isolamento, melhor os sinais elétricos conseguem se mover pelos caminhos neurais – algo que explica porque a prática frequente de exercícios ajuda a melhorar o desempenho de atletas, por exemplo.

Colocar atividades práticas nos treinamentos também é essencial para torná-los ainda mais eficientes. Além disso, fazer com que o processo fique mais dinâmico e interessante para o colaborador faz com que o conhecimento seja apreendido com mais rapidez e eficácia.

A prática tem um papel fundamental no aprendizado.

Outro ponto importante que merece destaque é o fato de que tão importante quanto a frequência do treinamento, é a qualidade e a eficiência da prática incluída na capacitação. Para isso, é preciso escolher atividades específicas e focadas na empresa, e no objetivo da capacitação.

TREINAMENTOS PRÁTICOS NAS EMPRESAS

Existem inúmeros treinamentos práticos que podem ser realizados na empresa para melhorar a produtividade e o desempenho dos seus colaboradores. Esta prática é essencial para que eles percebam como a teoria pode ser aplicada na rotina de trabalho e para que o conhecimento transmitido na capacitação vá além das salas de treinamento.

Uma empresa que conte com um time de vendas, por exemplo, pode criar diversos cenários, por meio das simulações, para que os profissionais da área aprendam a contornar diferentes argumentos e a lidar com desafios. As práticas incluídas também contribuem para o desenvolvimento de habilidades como comunicação, facilidade para trabalhar em equipe e eficiência no gerenciamento de pessoas, entre outras.

O USO DE PRÁTICAS NO DESENVOLVIMENTO COMPORTAMENTAL

Para que seja eficiente, a prática deve ser relevante para a rotina de trabalho dos colaboradores que estão participando da capacitação. Ela também deve ser focada nos objetivos que a ação deve alcançar. Além disso, é importante escolher estratégias que permitam que os seus funcionários participem ativamente do processo de aprendizagem. Dois excelentes exemplos para isso são os jogos de tabuleiro e os desafios ao ar livre.

Tanto os jogos de tabuleiro como os desafios realizados ao ar livre geram experiências para que os participantes aprendam se divertindo, além de permitir que testem e reforcem seus limites aplicando suas habilidades para a resolução de problemas complexos. Para gerar o ganho máximo, eles devem ser adaptados às necessidades atuais da empresa e ao contexto dos funcionários que estão em treinamento.

Com este método, é possível lançar desafios e ver como cada funcionário lida com a situação. Também é possível capacitá-los para que eles apresentem melhores reações e, assim, desenvolver competências comportamentais alinhadas às necessidades do negócio.

Liderança, comunicação efetiva, criatividade, tomada de decisão, foco em soluções, são alguns exemplos de competências para desenvolver na prática com jogos e desafios.

A VIVENDO E O APRENDIZADO NA PRÁTICA

Todos os programas de treinamento e desenvolvimento que construímos com nossos clientes estão centrados na prática.

Nos programas Motivacionais, a prática permite incluir e engajar todos em um único propósito. O KICK OFF é um ótimo exemplo para isso. Quando queremos desenvolver novas competências, os Workshops Experienciais garantem o aprendizado por meio de vivências desafiadoras onde os participantes descobrem e constroem o autodesenvolvimento. E, para garantir mudanças efetivas e duradouras programas como o PDL na Prática e o PLANAÇÃO fazem com que o time imagine, crie e inove para alcançar futuros desejáveis.

O 70:20:10 não é um simples método de treinamentos, e sim uma estratégia de desenvolvimento para que a empresa se torne uma organização que aprende!



Deixe uma resposta