A Habilidade chamada Paixão

Artigo escrito por Giani Bueno, psicóloga

Antigamente podíamos ouvir de nossos pais : “Se fosse fácil não seria chamado trabalho”, como se o fato de trabalhar fosse algo penoso, que nos exigisse em demasia. O trabalho tinha um outro sentido e representatividade na sociedade, e funcionou por longos anos assim. Funcionava no sentido de acontecer, existir, operar, mas não no sentido de crescimento, motivação, inspiração, saúde.

Porém, isso mudou com os anos, e nos últimos essa transformação é mais evidente.

Atualmente não vemos mais o trabalho como algo que acontece por um período determinado da nossa vida madura, mas sim como algo constante, que nos acompanha ao longo dela e que precisa ser retroalimentado. Entretanto, é mais que necessário ser bem feito, e satisfatório para ambas as partes envolvidas, tanto para a pessoa , quanto para a empresa.

Precisa trazer saúde e motivação para a vida do profissional, mas também gerar valor para a empresa. É uma troca!

Para que essa negociação seja satisfatória a ambos, é importante que o profissional apresente além da técnica, habilidades profissionais que o diferencie dos demais. Considerando aqui que algumas habilidades são difíceis de serem treinadas, por mais que possamos pensar que aptidão e sucesso possam ser aprendidos, a paixão pelo que se faz não pode.

E você sabe porque precisa paixão no que se faz ? Porque a Paixão é um dos sentimentos que nos motiva diariamente e não nos deixa desistir.

Não é de hoje o fato de que o ser humano é manipulável, e quem mais o manipula é o cérebro, repetindo internamente os pensamentos que aquele trabalho não o reconhece, ou que ele pode conseguir algo melhor, que ele está perdendo tempo ali, entre outros pensamentos que o impulsionam tentando sabotar sua ação. Mas o sentimento de paixão, que é aquele sentimento que vibra dentro de você e fala como é bom estar em movimento, aprendendo, interagindo com outras pessoas, conhecendo pessoas novas, poder negociar, decidir, gerenciar, apoiar e colaborar é satisfatório.

E se a gente não tiver esse sentimento? E se a gente desistir com o tempo? Porque o trabalho é algo que preenche 80 % da nossa vida, diariamente, é onde se passa mais tempo, tomando decisões difíceis, preocupações constantes, se dedicando e se doando a cada instante.

E nem sempre somos vistos ou reconhecidos pelo que fizemos. Muitas vezes somos comparados, e algumas vezes substituídos facilmente. Mas enquanto formos movidos pela paixão, estaremos motivados a dar o nosso melhor e mesmo que haja uma substituição, iremos deixar lembranças e ensinamentos.

Artigo escrito por Giani Bueno, psicóloga



Deixe uma resposta